26 de maio de 2009

ALMA NUA

Cá estou aqui novamente para uma "volta dos que não foram". Ou até foram, mas foram só até ali e já voltaram ...

Aproveitei e dei uma repaginada no Blog para mudar o clima, a cara e a alma dele...

Por falar em alma, vai uma "letra-oração" que tem me inspirado e serve para "inaugurar" esse novo momento do Blog: um momento bem pessoal e sem pretensão. Fruto do desejo de apenas registrar essa fase da minha vida, pra que eu mesma leia daqui há algum tempo ... e possa, quem sabe, entender como eu "era" ou "sou"...

Ó Pai
Não deixes que façam de mim
O que da pedra tu fizestes
E que a fria luz da razão
Não cale o azul da aura que me vestes

Dá-me leveza nas mãos
Faze de mim um nobre domador
Laçando acordes e versos
Dispersos no tempo
Pro templo do amor

Que se eu tiver que ficar nu
Hei de envolver-me em pura poesia
E dela farei minha casa, minha asa
Loucura de cada dia

Dá-me o silêncio da noite
Pra ouvir o sapo namorando a lua
Dá-me direito ao açoite
Ao ócio, ao cio
À vadiagem pela rua

Deixa-me perder a hora
Pra ter tempo de encontrar a rima
Ver o mundo de dentro pra fora
E a beleza que aflora de baixo pra cima

Ó meu Pai, dá-me o direito
De dizer coisas sem sentido
De não ter que ser perfeito
Pretérito, sujeito, artigo definido

De me apaixonar todo dia
De ser mais jovem que meu filho
E ir aprendendo com ele
A magia de nunca perder o brilho

Virar os dados do destino
De me contradizer, de não ter meta
Me reinventar, ser meu próprio Deus
Viver menino, morrer poeta


Alma Nua (Vander Lee)

2 comentários:

plinio disse...

Olá Dani,
Parabéns pela volta ao Blog!
Continue assim.
Fez uma bela escolha com esta música.Ela é muito bonita como um todo e em especial a parte que fala da aura.

Um Grande abraço!

Galáxia de meus anseios disse...

"Você é isso uma ternura imensa...". Que felicidade te-la aqui , novamente...! Te amo!Beijinhos. Mamy Helena